Loading...

www,patosmetropole.com

Paraíba Geral

Pesquisar este blog

Carregando...

11 Metros e eQSO Virtual

www.PatosReal,com

Tradução de Página

Portal Piancó - Piancó-PB

Caso de Polícia

Tambaú 247 - Últimas Notícias da Paraíba

Google+ Followers

O Menininho e seu amigo o Cachorrinho


CLIQUE NA IMAGEM

Clique na Imagem e Veja Nossos Produtos

Siga o Blog por Email

Total de visualizações de página


Santa Luzia-PB

UOL Notícias

Notícias de www.clickpb.com.br

Notícias - Blogs/Sites

Em Roliúde, O Bode É Rei!

Santa Luzia-PB,

domingo, 26 de julho de 2015

“Herói’, diz mulher sobre menino de 6 anos morto ao salvar irmã de estupro

morto

Menino foi esfaqueado ao defender irmã de 8 anos, que seria estuprada.

Moradores da Vila Samuel, em Rondônia, espancaram suspeito até a morte.

“Ele é um herói, morreu para defender a irmã”. A declaração é da mulher que tentou salvar a vida do menino de seis anos morto com uma facada ao socorrer a irmã, de oito, que seria estuprada, na Vila de Samuel (RO), a 50 quilômetros de Porto Velho. O suspeito do homicídio e do estupro foi retirado de uma viatura da Polícia Militar e espancado até a morte por cerca de 300 moradores da comunidade. Os crimes foram cometidos na última terça-feira (21).

A mulher, que prefere não se identificar por medo de represálias, é uma das moradoras do assentamento Jequitibá, a 25 quilômetros da vila, onde o menino morava junto com os pais e a irmã. A vizinha foi quem recebeu o primeiro pedido de socorro da menina e do próprio suspeito, que alegava que a criança havia sido atacada por uma onça.

“Ouvi uma voz de criança pedindo socorro junto com ele [o suspeito]. Perguntei o que tinha acontecido e ele disse que uma onça tinha tentado matar o menino. Desconfiei, mas aqui tem muita onça. Saí correndo ao encontro da criança e quando eu cheguei na casa, o menino já estava todo ensanguentado”, relata.

Como os pais das crianças estavam na vila, a mulher e mais três vizinhos tentaram achar um carro para levar o menino até um posto de saúde e aqueceram o garoto com sacos plásticos. “Enquanto isso, ele [suspeito] ficava falando ‘o que ele tinha feito da vida dele’ e correu para o igarapé. Ele não queria entrar no carro, mas eu o obriguei, porque se ele tinha trazido o problema, ele iria com a gente”, disse.

Ela conta que o suspeito também não queria deixar a irmã da vítima ir junto no carro, mas os vizinhos decidiram levar todos. “Jogamos ele dentro do carro e pegamos as crianças. Eu não sabia o que fazer, não sabia o que tinha acontecido. Quando entramos no carro, pedi a Deus para que o menino vivesse porque só ele poderia dizer o que tinha acontecido.”

A testemunha diz que perguntou à menina a real história, mas a criança contou apenas que estava dentro do quarto e não viu nada. Quando o grupo chegou à vila, o menino foi levado até o posto de saúde, mas já estava sem vida. Os vizinhos foram ao encontro dos pais das crianças. Ao ver a mãe, a garota mudou a versão revelada à vizinha.

“Ela contou na frente de todo mundo que o menino pegou um pedaço de pau e pulou em cima do homem para salvá-la de uma tentativa de estupro. Quando ela contou, juntou um monte de madeireiro e a confusão estava solta”, disse. A polícia foi chamada e suspeito foi preso.

Com o homem já no carro da PM, quando os agentes transitavam pela vila, a viatura foi bloqueada por dois caminhões. Neste momento, cerca de 300 moradores, armados com pedras e pedaços de pau, avançaram sobre o veículo para linchar o suspeito.

O linchamento aconteceu em frente ao restaurante de Eunice Campos da Silva. “Tiraram o homem de dentro da viatura. Eram quatro policiais contra mais de 300 pessoas. Se eles tentassem fazer alguma coisa, poderiam ser linchados”, afirmou a comerciante.

O suspeito foi espancado até a morte. Segundo um morador da vila, que também não quer se identificar, o homem levou uma pedrada na cabeça e foi esfaqueado, antes de ser espancado. “Ele não tentou se defender”, contou.

Todos os moradores entrevistados pelo G1 contaram que o suspeito não era conhecido na vila e que havia chegado à comunidade há cerca de 30 dias. Segundo a Polícia Civil, o suspeito tinha passagens pela polícia, inclusive por homicídio. Um inquérito será aberto para apurar o espancamento e a morte do homem. O irmão do suspeito e outras testemunhas foram ouvidos na Delegacia da Polícia Civil de Candeias do Jamari (RO) na manhã desta quarta-feira (22).

Luto

O fato chocou a Vila de Samuel e o assentamento Jequitibá. Moradores assustados preferem não comentar o que aconteceu. A escola da comunidade está fechada, em luto, até o dia 27 de julho. “Ele vai ser pra sempre nosso herói. A escola não vai medir esforços para prestar homenagem ao nosso pequeno porque ele merece, ele lutou”, desabafa a diretora da Escola Municipal Mário Covas, Mara Regina.

As duas crianças estudavam no colégio, no 1º e 3º anos do ensino fundamental. Segundo a diretora, o menino era um aluno alegre e estudioso, que será homenageado na primeira semana de aula, em agosto. “Ontem a vila viveu um filme de terror. A menina está em estado de choque, não chora nem fala”, disse Mara.

ENTENDA O CASO :

Suspeito de estuprar criança de 8 anos e matar irmão, de 6, é linchado até a morte

Um homem de 33 anos morreu ao ser espancado por cerca de 300 moradores da Vila de Samuel (RO), a 50 quilômetros de Porto Velho, após ser preso por homicídio e tentativa de estupro. Segundo a polícia, ele tentou estuprar uma menina de oito anos e matou o irmão dela, de seis anos. O crime aconteceu na noite de terça-feira (21).

De acordo com o boletim de ocorrência, no final da tarde de terça, o suspeito chegou à casa da menina, a aproximadamente 30 quilômetros da vila, e ofereceu R$ 10,00 para que ela tivesse relações sexuais com ele. A criança negou e, quando entrou em um dos quartos da residência, foi atacada pelo homem, que a jogou na cama e começou a despi-la. A vítima gritou e o irmão dela entrou no cômodo, tentando defendê-la.

O suspeito pegou um pedaço de madeira e feriu a cabeça do menino, depois desferiu um golpe de faca no peito do garoto. Quando percebeu a gravidade dos ferimentos da criança, o homem pediu ajuda a um vizinho das vítimas.

Todos se deslocaram para a Vila de Samuel, onde o menino receberia atendimento médico. No entanto, o garoto já chegou sem vida ao local.

Moradores da vila então detiveram o suspeito e acionaram a polícia, que começou a procurar o padrasto das crianças. Ainda conforme o boletim de ocorrência, quando os agentes faziam a busca pela comunidade, já com o homem dentro da viatura, dois caminhões bloquearam a passagem. Neste momento, cerca de 300 moradores, armados com pedras e pedaços de pau, avançaram sobre o veículo para linchar o suspeito.

Os policiais, que estavam em uma equipe de quatro, alegaram que não conseguiram impedir o ataque devido ao grande número de pessoas na multidão. Uma viatura da Polícia Ambiental que passava pelo local também tentou prestar apoio, mas não conseguiu conter os moradores. Os agentes acionaram mais equipes e quatro viaturas foram enviadas à vila. Quando a multidão encerrou as agressões, os policiais constataram que o homem já estava morto.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, que deve ouvir a vítima de tentativa de estupro, os pais da criança e testemunhas nesta quarta-feira (22).

Fonte: G1 RO

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Cartão de inscrição com locais de provas do concurso de Santa Luzia estão disponíveis no site da CPCON

cpcon

Devido a retificação do edital se faz necessário todos os candidatos imprimir o seu cartão de inscrição, isso se faz necessário porque, com o novo numero de inscritos, pode ocorrer mudanças nos locais de provas.p

Para imprimir o cartão de inscrição o candidato basta apenas digitar os números de seu CPF no site da empresa ou clique aqui para ter acesso as informações.

Tv Santa Luzia

Cerca de quinze mil alunos podem ter sido vítimas de faculdade que não é credenciada pelo MEC

Aulas continuam na Faexpe, mesmo após decisão da Justiça Federal

imageMesmo com a decisão em caráter liminar de suspensão das atividades, as aulas nas unidades da Faculdade Extensiva de Pernambuco (Faexpe) continuam acontecendo normalmente, de acordo com estudantes e professores da faculdade. Por causa da determinação da Justiça Federal, alguns alunos cancelaram a matrícula. Outros, porém, acreditam na instituição e dizem que só vão deixar de estudar quando ela fechar as portas definitivamente. A determinação judicial foi tomada porque a instituição não é credenciada pelo Ministério da Educação.

A decisão judicial impede o funcionamento nos município de atribuição do Ministério Público Federal (MPF) em Serra Talhada, que deu entrada na ação civil pública: Afogados da Ingazeira, Betânia, Brejinho, Calumbi, Carnaíba, Custódia, Flores, Floresta, Iguaraci, Ingazeira, Itacuruba, Itapetim, Jatobá, Nova Petrolândia, Quixabá, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Terezinha, São José do Belmonte, São José do Egito, Serra Talhada, Solidão, Tabira, Tacaratu, Tuparetama e Triunfo.

Aluna do 4º período de pedagogia da Faexpe de Petrolândia, Sertão do estado, a professora de escolas particulares do município Maria da Conceição Lima, 30 anos, disse que as aulas estão normalizadas na unidade. “Tivemos aula normalmente, mas muitos alunos estão angustiados, sem informações sobre a continuidade das atividades”, pontuou.

Para Liviane Araújo, 35, que estuda numa turma de 32 alunos do 4º período de pedagogia na Faexpe de Tacaratu, também no Sertão do estado, a faculdade não é irregular. “Tive aula sábado normalmente e paramos para um recesso. As aulas voltam no próximo dia 1º. Não acredito nessa suspensão até que me provem”, afirmou. Ela disse que paga R$ 167 de mensalidade. “Esse valor é para quem paga até o dia 20 do mês. Depois dessa data, a mensalidade sobe para R$ 207. Continuo acreditando”, disse.

www.diariodepernambuco.com.br

Quinze mil alunos são vítimas de faculdade que não é credenciada pelo MEC

Denúncia de professora descortinou escândalo regional

maria Lúcia ensinou na faculdade, mas questionou a carga horária e foi demitida. Ela denunciou a irregularidade ao MPF. Foto: Rafael Martins/Esp DP/D.A.Press

maria Lúcia ensinou na faculdade, mas questionou a carga horária e foi demitida. Ela denunciou a irregularidade ao MPF. Foto: Rafael Martins/Esp DP/D.A.Press

Prestes a iniciar a construção da casa onde ia morar com o filho e a mulher, o vendedor Luciano Lira, 33, recebeu um panfleto informando que a Faculdade Extensiva de Pernambuco (Faexpe) estava com cursos superiores abertos. O baixo valor da mensalidade - R$ 149 - atraiu o morador de Cabrobó, no Sertão. Um ano depois de começar a frequentar aulas de segurança do trabalho, Luciano descobriu que a Faexpe não tem cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC) e é investigada por suspeita de fraude.

A entidade é acusada de ofertar cursos de extensão, graduação e pós-graduação, incluindo mestrado e doutorado, sem credenciamento, autorização e reconhecimento do ministério. As investigações foram acompanhadas, com exclusividade, por dois meses, pela TV Clube/Record.

Em 14 de julho, o Ministério Público Federal em Serra Talhada obteve decisão liminar, na 38ª Vara da Justiça Federal, determinando suspensão de atividades em 25 cidades do estado, interrupção de matrículas, indisponibilidade de bens dos proprietários no valor de R$ 400 mil, proibição de convênios com instituições credenciadas pelo MEC, e paralisação de anúncios publicitários. A decisão foi expedida pelo juíz Bernardo Monteiro Ferraz, que fixou multa diária de R$ 5 mil em caso de descumprimento.

Sediada em Caruaru, a Faexpe atua em 43 municípios do interior de Pernambuco, além de outros 11 estados do Norte-Nordeste, segundo o MPF. O Ministério Público afirma que a instituição tem 15 mil alunos. A Faexpe diz ter oito mil matriculados.

Denúncia e ameaças

A suspeita de fraude foi denunciada pela pedagoga Maria Lúcia Carvalho, 59. Ela foi professora da Faexpe por um ano e três meses, até descobrir que disciplinas de cursos superiores tinham carga horário muito inferior à exigida pelo MEC. Segundo ela, uma matéria como sociologia - que requer 60 horas/aula - era dada em 12 horas/aula. “Questionei a coordenação e fui demitida no mesmo dia”, disse a professora, que procurou o MPF após a dispensa.

“Por causa da denúncia, comecei a ser ameaçada por gestores da faculdade. Tive que deixar minha casa, meus bens e mudar de município. Estou vivendo anonimamente e acuada”, contou. O procurador da República Manoel Antônio Gonçalves da Silva, do MPF, fez a investigação.

“Além de não cumprir a carga horária, a faculdade usava prédios provisórios, como escolas públicas, para aulas. Muitas pessoas que dependem do Bolsa Família foram enganadas e usavam o dinheiro para a mensalidade”, denunciou o presidente da Associação de Universitários de Ibimirim, Alysson Bezerra. “Passei um ano pagando R$ 149 (R$ 1.788 ao todo), mas tranquei a matrícula quando soube das suspeitas. Esse valor faz muita falta. Poderia ter dado continuidade à construção da minha casa”, lamentou Luciano Lira.

TV Clube percorreu 600 km

Durante dois meses, o repórter Jairo Bastos, da TV Clube/Record, acompanhou de perto das investigações sobre as irregularidades da Faculdade Extensiva do Pernambuco (Faexpe). A equipe percorreu cerca de 600 km entre o Recife, Caruaru, Ibimirim e Tacaratu, no Agreste e no Sertão de Pernambuco.

Mais de 20 entrevistas foram realizadas para concluir a reportagem investigativa que foi ao ar durante 2 minutos no Jornal da Record ontem. Uma versão estendida da matéria, com 5 minutos, será veiculada hoje nos telejornais locais da TV Clube.

A denúncia sobre a possível fraude chegou à redação por meio de uma fonte. “Durante todo o processo de apuração, contamos com muitas fontes. Ouvimos pessoas que trabalharam para a faculdade, alunos, ex-alunos  e o Ministério Público Federal”, pontuou Jairo.

Além da apuração em campo, o repórter destaca que boa parte do trabalho foi feita na redação. “Foram muitas ligações e colaborações de fontes por redes sociais, especialmente pelo Whatsapp”, contou.

A matéria foi realizada por uma equipe de cinco profissionais de São Paulo e do Recife. “O que mais chamava a atenção era o fato de a faculdade atrair pessoas de baixa renda de municípios sem instituições de ensino superior. Alguns estudantes usavam o auxílio do Bolsa Família para quitar as mensalidades”, destacou.

Instituições terceirzavam cursos

Três instituições reconhecidas pelo MEC - a Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso), a Faculdade Centro Oeste do Paraná (FAI/PR) e a Faculdade Paranapanema - ambas sediadas no Paraná -, também são investigadas por participação na terceirização da atividade de ensino. As faculdades não estavam autorizadas a oferecer cursos por meio da Faexpe, de acordo com o MPF.

Por causa das irregularidades, o MPF pediu à Justiça que a Faexpe e as outras instituições sejam condenadas ao ressarcimento de todos os valores pagos pelos alunos.

O Diario tentou contato nos telefones divulgados pela Faexpe, mas uma mensagem informava que os números não existiam. Em entrevista à TV Clube/Record, o advogado da empresa, Emerson Eric, afirmou que a Faexpe apenas terceirizava cursos de faculdades autorizadas pelo MEC. “A Faexpe entra como empresa terceirizada para comercialização, cobrança e marketing”, disse. A Funeso informou que não foi notificada oficialmente pelo MPF sobre a investigação. ]

“Só posso dizer que nosso setor jurídico já foi acionado e que temos 44 anos de trabalho sério na cidade de Olinda”, afirmou o diretor geral da Funeso, Célio Costa. As faculdades paranaenses negaram parcerias com a Faexpe. O Diario procurou o Ministério da Educação, que não respondeu.

www.diariodepernambuco.com.br

Acusado de assassinado e dupla tentativa de homicídio em Patos é preso no RN

A Policia Militar conseguiu prender na manha desta quinta-feira, (23), Jacileudo Leandro Monteiro, de 36 anos, mais conhecido como Leudo, acusado de ter assassinado um jovem e praticado uma dupla  tentativa de homicídio em Patos.

Segundo a PM, Leudo esta sendo apontado como principal suspeito de um assassinato que ocorreu no dia 26 de maio, no loteamento Santa Clara. De acordo com a policia, Valmir da Silva Costa, de 23 anos, foi morto a tiros no momento em que chegava em uma residência, no loteamento João Dudu.

A vítima ainda tenta correr para dentro da casa, mesmo assim, o criminoso efetuou mais três disparos. Na esquina, um carro já esperava pelo acusado.

Leudo também esta sendo acusado de ter praticado uma dupla tentativa de homicídio ocorrida no dia 13 de julho, no bairro Bivar Olinto.

Ainda de acordo com a policia, os dois crimes teriam motivação passional, já que o acusado não se conformava com a separação e vinha ameaçando a ex-mulher de morte.

Leudo será trazido para a cidade de Patos, onde será apresentado na Delegacia de Policia Civil e devera ser encaminhado para o Presidio Romero Nobrega.

maispatos.com

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Pílula do dia seguinte antiaids começa a ser distribuída no SUS

O uso unificado da "pílula do dia seguinte" para aids começa a valer a partir desta quinta-feira (23). Com a publicação no Diário Oficial da União do novo protocolo de diretrizes terapêuticas, todas as pessoas que tiverem enfrentado uma situação de risco para o vírus HIV passam a ter acesso aos medicamentos antiaids em qualquer serviço especializado.

A profilaxia pós-exposição, como o tratamento é chamado, é indicado para todos que tiveram risco de contato com o vírus causador da aids. Isso pode acontecer tanto num acidente ocupacional, como médicos ou enfermeiros que tiveram contato com sangue de paciente, quanto com vítimas de violência sexual ou pessoas que tiveram relação sexual desprotegida.

Para ter eficácia, no entanto, o tratamento, feito ao longo de 28 dias, tem de ter início no máximo até 72 horas após a exposição ao vírus. O ideal é que o ele seja iniciado nas primeiras duas horas após a exposição.

O objetivo da nova estratégia é facilitar o acesso e, principalmente, evitar a recusa de alguns serviços de fornecer a terapia eficaz para prevenção da doença. "Antes da mudança, havia o entendimento incorreto de que um serviço especializado poderia atender apenas a um grupo determinado", afirmou o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Fábio Mesquita.

Com isso, serviços que prestam atendimentos a vítimas de violência, por exemplo, alegavam que só poderiam fornecer remédios às mulheres ali atendidas. "A maior parte das recusas ocorria para pessoas que recorriam ao serviços depois de manter relações sexuais desprotegidas", completou Mesquita.

O Ministério da Saúde não tem estimativa de qual será o impacto da mudança. Para facilitar o acesso aos serviços, o Ministério vai lançar um aplicativo em dezembro com orientações sobre os postos mais próximos de distribuição. Além de centros de serviços especializados em DST-Aids, em algumas cidades antirretrovirais são fornecidos também em unidades de emergência.

"Nos casos de serviços 24 horas, a distribuição de medicamentos não é feita para 28 dias. Os serviços dão o suficiente para três ou quatro dias de terapia e pedem que o paciente retorne, num segundo momento, para pegar o restante."

A terapia começou a ser ofertada no Sistema Único de Saúde nos anos 90, inicialmente para profissionais de saúde que tiveram contato com materiais contaminados ou sob risco de contaminação. Em 1998, a terapia foi estendida para vítimas de violência sexual e, em 2011, passou a ser ofertada também a todos os que tiveram uma relação sexual desprotegida.

Conferência

Mesquita, que está na Conferência Internacional de Aids, em Vancouver, no Canadá, contou que neste ano o Brasil definirá a estratégia para outra forma de prevenção à doença: o uso dos antiaids antes da relação sexual desprotegida. Neste caso, em vez de "pílula do dia seguinte", os remédios agiriam como uma "vacina".
Hoje, dois estudos estão em andamento, para verificar a adesão de voluntários. "A eficácia da terapia pré-exposição está comprovada. O que observamos é o comportamento de pacientes voluntários, se eles mantêm o uso de remédios, se aprovam a estratégia", contou. Resultados de estudo conduzido na Fiocruz foram animadores. A ideia é definir se a estratégia pode ser incluída no programa brasileiro a partir de 2016.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Lígia Formenti

Estadão/UOL

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Remédio de prevenção do HIV ainda é pouco prescrito, diz estudo Comente

A médica americana Lisa Sterman, de São Francisco, mostra uma pílula do Truvada, do laboratório Gilead, focado na prevenção do HIV

A médica americana Lisa Sterman, de São Francisco, mostra uma pílula do Truvada, do laboratório Gilead, focado na prevenção do HIV

O tratamento preventivo contra o vírus da aids (HIV) para as pessoas não infectadas, mas potencialmente em risco, continua sendo pouco prescrito apesar dos resultados positivos dos testes clínicos - lamentaram nesta terça-feira (21) cientistas reunidos na conferência internacional sobre a aids.

A prática da prevenção medicamentosa, frequentemente chamada profilaxia pré-exposição (PrEP), consiste no uso regular de antirretrovirais por pessoas saudáveis que mantêm relações com parceiros infectados pelo HIV, com o objetivo de evitar contrair o vírus.

Para os especialistas, a prática preventiva é eficaz e apresenta efeitos colaterais mínimos.

"A profilaxia pré-exposição muda o jogo", avaliou o pesquisador norte-americano Chris Beyrer, co-presidente da 8ª Conferência sobre a Patogênese do HIV, em Vancouver, Canadá

"Os dados são implacáveis, e isso funciona quando (o tratamento) é feito", acrescentou.

Os cientistas apresentaram os resultados sobre a PrEP a partir de vários pequenos estudos feitos com pessoas com grande probabilidade de serem infectadas pelo HIV, principalmente em razão de suas práticas sexuais, no Brasil, nos Estados Unidos e em Botswana.

Tendo em vista o sucesso do tratamento antirretroviral feito corretamente - reduzindo claramente o risco de infecção pelo HIV e muito bem tolerado pelo organismo - os cientistas lamentaram o fato de que a PrEP não seja uma prática frequente, sendo na maior parte das vezes uma decisão pessoal.

É verdade que esta terapia é bastante recente. Somente em 2012 o tratamento com truvada, uma mistura de antirretrovirais dada aos adultos com ato risco, obteve sinal verde da Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA) dos Estados Unidos.

- Estudos conclusivos -Um estudo feito com 557 homens homossexuais ou transgêneros mostrou que quase todos seguiram o tratamento preventivo, enquanto em dois participantes - quem acabaram contraindo o vírus da aids - os vestígios dos medicamentos no corpo eram mínimos, salientou Albert Liu, da administração de Saúde de San Francisco.

"Nossos resultados corroboram bastante para o fortalecimento da PrEP, e os medicamentos parecem ser bem tolerados", afirmou Liu.
Do lado brasileiro, o estudo feito com 509 homens ao longo dos últimos dois anos mostra que a PrEP é bem aceita pelos participantes "embora seja necessária mais educação", ponderou Beatriz Grinsztejn, do Instituto de Pesquisa Evandro Chagas, no Rio Janeiro.

Estes resultados, que ainda terão de ser finalizados antes da publicação, vão ajudar o governo brasileiro a decidir se quer ou não o tratamento preventivo com medicamentos antirretrovirais como norma de saúde pública.

Os efeitos colaterais, tais como náuseas, dores de cabeça e perda de peso são apontados por um estudo entre 200 jovens em 12 cidades dos Estados Unidos, observou Sybil Hosek do Hospital Stroger, do condado norte-americano de Cook (Illinois), notando que os mais dispostos a seguir um PrEP foram aqueles com um estilo de vida altamente arriscado.

Nenhuma transmissão de HIV foi encontrada para as 229 pessoas heterossexuais monitoradas como parte do estudo em Botswana, com altos riscos em suas práticas sexuais com múltiplos parceiros ou com usuários de drogas injetáveis com equipamentos pouco seguros, segundo Faith Henderson, do Centro norte-americano de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

A prevenção medicamentosa se depara com dois obstáculos: os custos e os sérios danos pelo uso contínuo do tratamento. O preço dos remédios é o principal obstáculo nos países onde a seguridade social é praticamente inexistente, segundo os especialistas presentes na conferência de Vancouver. Além disso, é preciso garantir que as pessoas em risco tomem os medicamentos de forma regular e consistente.

"A PrEP não é apenas um ganho individual, mas também deve ser levado em conta em termos de saúde pública", estimou o pesquisador peruano Carlos Caceres. "Evitando que a infecção de uma pessoa passe para outra, poderíamos prevenir diversas novas infecções".

"Nossa resposta mundial ao HIV não será duradoura caso o número de infecções não seja significativamente reduzido", concluiu.

UOL

terça-feira, 21 de julho de 2015

Faexpe não possui autorização do MEC para ofertar cursos de extensão, graduação e de pós-graduação

17/7/2015

imageApós ajuizamento de ação civil pública, o Ministério Público Federal (MPF) em Serra Talhada (PE) conseguiu decisão liminar da Justiça Federal determinando a suspensão de atividades e interrupção das matrículas das Faculdades Extensivas de Pernambuco (Faexpe), sediada em Caruaru e com atuação em vários municípios do agreste e do sertão do estado. A entidade é acusada de ofertar cursos de extensão, graduação e de pós-graduação, incluindo mestrado e doutorado, sem credenciamento, autorização e reconhecimento pelo Ministério da Educação (MEC).

Também são alvos do processo a Fundação de Ensino Superior de Olinda (Funeso/PE), a Faculdade Centro Oeste do Paraná (FAI/PR) e a Faculdade Paranapanema (sediada no Paraná) por participação na terceirização da atividade de ensino. As faculdades não estavam autorizadas a oferecer cursos por meio da Faexpe. O responsável pelo caso é o procurador da República Manoel Antonio Gonçalves da Silva, que pediu a suspensão das atividades da Faexpe em todos os municípios de atribuição do MPF em Serra Talhada (ver relação abaixo).

Após procedimento administrativo e informações prestadas pelo MEC, o MPF constatou irregularidades no oferecimento de cursos superiores. Conforme consta na ação, a Faexpe celebrou contratos com a Funeso, FAI e Faculdade Paranapanema, instituições reconhecidas pelo MEC, com o objetivo de validar indevidamente os certificados de seus cursos. Os alunos firmavam contratos com as instituições credenciadas, mas, na prática, as aulas eram ministradas nas instalações e por professores da Faexpe.

A Justiça Federal entendeu que “a leitura dos folhetos de divulgação do serviço é suficiente para observar a colocação do consumidor em situação de erro, apta a caracterizar a propaganda enganosa seja pela presença de informação falsa, seja pela forma como apresentado o serviço”. Desta forma, determinou, liminarmente, a indisponibilidade de bens das rés no valor de R$ 400 mil, a paralisação da divulgação dos anúncios publicitários dos cursos, a suspensão das atividades da Faexpe, bem como a proibição de que firme qualquer tipo de convênio com instituições credenciadas pelo MEC para diplomar seus alunos.

Além disso, determinou que FAI e a Faculdade Paranapanema cancelem e interrompam todo tipo de divulgação de convênio com a Faexpe para oferecer cursos de extensão e, por fim, que as rés divulguem em seus sites e em mídia impressa de Pernambuco a existência da ação civil pública, bem como o teor da decisão judicial.
Cursos livres - Em sua argumentação, o MPF ressalta que a Faexpe, por não possuir credenciamento junto ao MEC, não poderia oferecer cursos superiores, mesmo por meio de convênio com outras instituições de ensino. As atividades da faculdade deveriam ser enquadradas como cursos “livres”, que não precisam de autorização do MEC para funcionar e não dão direito a diploma. Segundo o MPF, a Faexpe induziu o consumidor ao erro, diante da publicidade abusiva e enganosa, desrespeitando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

No final do processo, o MPF requer que a Faexpe seja condenada ao ressarcimento de todos os valores pagos, individualmente, pelos alunos matriculados, bem como realize reparação de danos morais e que a FAI, a Funeso e a Faculdade Paranapanema, conforme o caso, sejam também condenadas solidariamente com a Faexpe à mesma punição.

Municípios de atribuição do MPF em Serra Talhada -
Afogados da Ingazeira, Betânia, Brejinho, Calumbi, Carnaíba, Custódia, Flores, Floresta, Iguaraci, Ingazeira, Itacuruba, Itapetim, Jatobá, Nova Petrolândia, Quixabá, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Terezinha, São José do Belmonte, São José do Egito, Serra Talhada, Solidão, Tabira, Tacaratu, Tuparetama e Triunfo.

Processo nº 0800187-91.2015.4.05.8303 - 38ª Vara Federal em Pernambuco

Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República em Pernambuco
(81) 2125-7348
prpe-ascom@mpf.mp.br
http://www.twitter.com/mpf_pe
http://www.facebook.com/MPFederal

MPF

Presidente do TRE PB fala do recadastramento biométrico no Vale do Sabugi

A Cerimônia de Recadastramento biométrico aconteceu na tarde desta terça feira, dia 21 de julho de 2015,  no Fórum Francisco Seraphico Nóbrega em Santa Luzia-PB e estiveram presentes diversas autoridades do vale do Sabugi,

A mesa foi composta pelo Desembargador  e Presidente do Tribunal Eleitoral da Paraíba, João Alves da Silva; pelo Juiz da 26ª Zona Eleitoral (Vale do Sabugi), Dr Rossini Amorim Bastos e demais auxiliares da justiça eleitoral.

Os Prefeitos puderam tirar suas dúvidas diante  do novo processo eleitoral.  O presidente do TRE respondeu alguns questionamentos.

Os eleitores terão até março de 2016  para realizar o recadastramento.

O juiz Dr Rossini  Amorim falou da importância da audiência e enfatizou quanto a questão  dos riscos do eleitor pelo não comparecimento ao Fórum Eleitoral.

Tv Santa Luzia.com

Redação
(83) 9123-2233

(83) 9965-0995

contatosertaopb@gmail.com

Para os que queiram um acesso rápido ao nosso áudio

www.tvsertaopb.blogspot.com

Entre você também no grupo

A Rede Sertão PB está disponibilizando um endereço, grupo do MSN, (group863210@groupsim.com), que ficará aberto 24 horas por dia, sete dias por semana.

O grupo servirá para troca de informações entre os participantes, bem como, de oferecer um espaço de entretenimento a todos os internautas que acompanham nossas páginas parceiras da Rede. Bom divertimento e bons papos a todos!!!!!

Para participar, basta adicionar o seguinte endereço: group863210@groupsim.com, nos contatos do seu MSN.

Grupo (Chat MSN) Santa Luzia

Você pode adicionar também o Chat Santa Luzia-PB direto em seu MSN: group64628@groupsim.com – Adicione da mesma forma como adiciona um contato MSN.


Participe do Chat de Santa Luzia-PB

Rede Sertão PB agora no seu celular

Clientes Tim

Fique por dentro de nossas postagens e dicas, direto do seu celular.

São matérias, o que rola na cidade, entretenimento e muito mais...

Vamos fechar parcerias com comerciantes locais, e divulgar, direto para seu celular, promoções relâmpagos, que surjam, no comercio local, e é claro, nos estabelecimentos parceiros da Rede Sertão PB.

Muita novidades virão por ai – AGUARDEM!!!!!

Receba em seu celular, gratuitamente, as atualizações (via Twitter) das postagens de nossa página - www.sertaopb.com

Para o cadastramento do serviço do Twitter, de nossa página em seu celular, será descontado, apenas inicialmente e a cada envio de solicitação de serviço, de seus créditos, o valor de, R$ 0,31 (trinta e um centavos), mais impostos.

Para o cancelamento, a qualquer momento, também será descontado o mesmo valor.

Esses valor é descontado sempre que se ative ou se cancele o serviço de um Twitter em seu celular.

Essa taxa é referente à contratação do serviço junto à operadora TIM.

As mensagens recebidas, de acordo com o regulamento do serviço da TIM, serão gratuitas.

A cada atualização de nova postagem, você receberá em seu celular, uma mensagem com os primeiros 140 caracteres da postagem.

Você não vai ficar de fora dessa, vai?

Essas mensagens, não importam quantas, em seu recebimento, serão gratuitas.

Para entender melhor:

O envio de mensagens custa R$ 0,31 + impostos e o recebimento é gratuito

Serão cobrados R$ 0,31+impostos para todas as mensagens enviadas com os comandos. Exceto os comandos HELP e START, que são gratuitos.

Como Cadastrar essa página em meu celular?

Envie a mensagem de texto com o nome START para o número: 40404 e ative o serviço em seu celular. Essa mensagem é gratuita.

Em seguida, envie a mensagem FOLLOW redesertaopb para o número 40404. Essa mensagem custará R$ 0,31 + impostos.

Para parar de seguir, envie a mensagem LEAVE redesertaopb para o número 40404. Essa mensagem também custará R$ 0,31 + impostos.

Veja:

FOLLOW nomedousuario: permitirá que você siga uma pessoa específica e receberá suas notificações. Exemplo: FOLLOW lucianapop. Você estará seguindo lucianapop.

LEAVE nomedousuario: desativará o recebimento das notificações de uma determinada pessoa. Exemplo: LEAVE patricia. Você não receberá mais nenhuma notificação da patricia, no seu celular.

Atenção

Utilizando o comando "on nomedousuario" do seu celular, habilitará o recebimento no seu celular, somente deste usuário enviado. Se enviar "off nomedousuario", desabilitará o recebimento desse usuário no seu celular, mesmo assim você continuará recebendo na web as mensagens das pessoas que segue.

Se você começar a seguir alguém pelo celular, também o seguirá na web. Não tem como deixar de seguir alguém ou bloquear alguém via SMS. Os comandos off, leave, stop, and quit, apenas desabilitarão o recebimento das mensagens de dessas pessoas, via sms.

Pronto!!!!! Seguindo esses passos, você começará a receber informações da Rede Sertão PB em seu celular. Todas as mensagens recebidas, serão GRATUITAS.